Navigate / search

Gestalt-terapia com famílias: transformando os sonhos em realidade

SandraBabele

I Congresso Latino de Gestalt

Título: Gestalt-terapia com famílias: transformando os sonhos em realidade

Autora: Sandra Salomão – Rio de Janeiro – Brasil.

a) Objetivo Geral do Workshop: abordar os projetos afetivos, profissionais e demais projetos que permanecem como sonhos não realizados. As perspectivas pessoal e familiar são enfocadas como figuras que surgem de um fundo transgeracional. Baseia-se teoricamente numa visão holística da pessoa e da família (Zinker, 1979) e se apóia nas concepções de figura e fundo (Perls, 1997), auto-regulação, ajustamento criativo (Perls,1997), de fronteiras e funções de contato (Polster, 2001), e na necessidade de trabalhos emocionais que utilizem a ação. Através das interações experienciais, as pessoas podem fazer contato com o novo como uma realidade concreta, superando o alcance limitado do nível verbal de resolução de bloqueios e dificuldades, conforme afirmam Zinker e Polster quando apresentam o método do experimento em Gestalt-terapia.

No ambiente relativamente seguro do workshop, será facilitada a awareness das dificuldades de realização dos sonhos, procurando obter sua resolução através de uma experiência interacional concreta, utilizando o experimento como uma forma de atuar sobre as fronteiras de contato (Polster e Polster) do indivíduo. As técnicas utilizadas relacionam os projetos pessoais e os familiares e objetivam proporcionar a realização dos sonhos na realidade aqui e agora do workshop. b) A metodologia do trabalho: inicia-se com uma mobilização corporal breve, e em seguida, é realizada uma viagem de fantasia com música de fundo. Com o objetivo de tornar possível uma awareness maior dos projetos, dos sentimentos e das introjeções envolvidos neles. Em seguida é feito um trabalho com material flexível – papel colorido – onde as dificuldades de realização dos sonhos na prática serão relacionadas aos sentimentos e percepções de si no processo de realizar. Nas etapas posteriores é efetuado um trabalho em pequenos grupos, para elaborar e integrar as várias etapas da experiência aqui e agora do workshop e a vida dos participantes. É pedido, então, que criem alternativas de lidar com os projetos, no aqui e agora do encontro, reorganizando concretamente o material trabalhado por eles. Os sentimentos e os valores introjetados são revistos para dar possibilidade à pessoa de criar uma resposta nova. Na finalização, os participantes compartilham a experiência e voltam aos sonhos, procurando relacioná-los com a experiência vivida no Workshop.

Esta técnica foi confeccionada com o objetivo de estimular, através do uso da metáfora dos sonhos o contato com os desejos, as capacidades e os bloqueios que existem na realização de projetos e de uma ação lúdica e experiencial, buscamos o aumento da awareness.

Os sonhos e projetos são carregados através das gerações. Sonhos presentes estão realizados por um fundo transgeracional. O uso de técnicas não verbais junto com as trocas de conteúdo favorecem o uso do ajustamento criativo e dos recursos positivos que as pessoas possuem.

Nos passos da fantasia dirigida constam etapas do processo evolutivo das famílias tendo como base três gerações.

As fases desse trabalho são:

  1. identificação dos sonhos e dos bloqueios

  2. resgate do fundo experiencial familiar, na família atual e tri-geracionalmente.

  1. restabelecimento da awareness

  2. contato com o material de trabalho concreto buscando uma nova Gestalt

  3. ajustamento criativo – awareness mais profunda na confecção e no compartilhar da obra realizada

  4. expansão de fronteiras – generalizando para a vida

  5. finalização – resignificando

Autora

Sandra Salomão Carvalho

Psicóloga, Mestre em Psicologia Social, Gestalt – Terapeuta pelo The Gestalt Training Center of San Diego (USA), especialista em Terapia de Família pelo Núcleo Pesquisas, Terapeuta de família e casal, Professora da PUC/RJ.

Rua Elvira Machado, 16, Botafogo. Tel 21 541-5186 .

E-mail ssalomao@ism.com.br Site: www.centrodegestaltterapia.com.br

Referências Bibliográficas

  1. PERLS, F., HEFFERLINE, R., GOODMAN P. Gestalt-Terapia. São Paulo: Summus,1997.

  1. POLSTER, E., POLSTER, M. Gestalt-Terapia Integrada. São Paulo: Summus, 2001.

  1. ZINKER, JOSEPH El Proceso Creativo Em La Terapia Guestaltica Argentina: Paidos 1979.

Gestalt pós-moderna: atendimento e supervisão em terapia de casal e família

SandraBabele

Di Sandra Salomao

A Gestalt-terapia surgiu junto com o pós-modernismo, no bojo das psicoterapias alternativas. Fritz Perls apresenta a nova abordagem através de um estilo pós-moderno típico de demonstrações públicas performáticas no melhor estilo espetáculo e com os resultados eficientes de uma psicoterapia bombástica, mais “rápida” do que a psicanálise clássica, aparentemente plena de técnicas que por si só seriam eficientes para a solução de problemas. Aparentemente o formato da nova terapia é apropriado ao ritmo acelerado da contemporaneidade, ao imediatismo de um aqui agora que rompe com a história. Isso faz com que ela apareça e seja facilmente assimilada em seu viés mais aparente.

Entramos na era da tecnociência, da massificação e hiper produção das informações. Do acúmulo de informações não processadas criticamente. O prazer está associado ao consumo de bens e serviços. O culto à imagem supera o valor do conteúdo. Equipamentos de última geração, pesquisas avançadas e clonagem convivem com a fome, a violência e o terrorismo e a destruição. O pós-modernismo parece ser divertido, mas realiza a síntese do nada, do vazio infértil, da ausência de uma interiorização e da busca de sentido para a vida. O sujeito parece inexistir, pois o Aparecer-é Poder impera autoritariamente. A aparência sem essência favorece o aparecimento dos hormônios, das próteses de silicone. Não há tempo para devaneios, de exercer-se humano. Os objetos da paixão tornam-se objetos de produção e não de relação. Expressar amor e afeto é coisa do passado ou romantismo superado.

Certamente é muito complexa a existência da Gestalt-terapia, bem como de qualquer outra psicoterapia nestes tempos pós–modernos, e sua proposta apesar de mais coerente com os tempos atuais, caminha na contra mão das sociedades avançadas, propondo a era da conscientização e do contato, para uma sociedade em que as pessoas vivem como se estivem em bolhas.

A Gestalt-terapia, na verdade, não é tão pós-moderna quanto parece. Sua marca existencialista e os fundamentos filosófico e metodológico fenomenológico fornece um instrumento de leitura e intervenção que trazem as influências das idéias modernas. O aqui e agora da Gestalt não exclui a história. Na verdade denuncia sua atualidade no presente . Dialética pura.

Um dos aspectos mais admiráveis da Gestalt-terapia refere-se a capacidade desta abordagem de manter-se com um sentido de atualidade. Desde que surgiu, há 50 anos, a Gestalt-terapia vem sendo capaz de fornecer um texto conceitual e uma atitude diante do homem, que permitem tanto uma compreensão dos impasses e processos humanos mais inesperados quanto à produção de um método e de instrumentos de intervenção que permanecem adequados às transformações econômicas, políticas, sociais e ideológicas que estiveram em cena durante a segunda metade do século XX.

Sendo assim, gostaria de trazer uma vertente que é a inequívoca vocação teórica e metodológica da Gestalt-terapia, para a psicoterapia com famílias.

A família está no epicentro do bombardeio pós-moderno. É como se estivesse sentada no vulcão. Sofre com as mudanças aceleradas e não tem tempo de assimilar as novas reorganizações. As novas Gestalten que convivem com modelos mais convencionais desafiam psicoterapeutas, educadores e pensadores. Casamentos e recasamentos, uniões efêmeras, divórcios numerosos e prematuros, vão formando um complexo jogo de relações enquanto envolvem contradições com os modelos de relacionamento convencional. Novos mitos e velhos mitos.

Quando a Gestalt-terapia surge ela já era orientada para ser utilizada em indivíduos em relação, e mais tarde para indivíduos em grupos e mais recentemente para famílias e grandes comunidades. Esta abordagem apresentou como um de seus princípios básicos o conceito de self, concebido como processo e como resultado de uma relação com o mundo e com os outros. Fazer contato e estar aware são as condições para realizar um ajustamento criativo. Não existe mais o intra-psíquico como uma estrutura, uma vez que o homem funciona enquanto processo, percebido enquanto totalidade. Também não há mais verdades absolutas sobre saúde e doença. O que há são experiências singulares no processo de viver. O contexto comanda. O trabalho com o cliente é orientado para as relações presentes em sua vida, sua responsabilidade e para a qualidade de seu contato e comunicação. O que determina os procedimentos de trabalho terapêutico é o processo de relacionar-se com a experiência do que ocorre aqui e agora.

todas as concepções da Gestalt-terapia definem o funcionamento do homem na sua rede de relações com o mundo.

Inevitavelmente, uma pessoa corre o risco de ser apreendida do ponto de vista terapêutico mais restritamente com restrições quando percebida fora de sua rede de relacionamentos. Abordá-la fora do seu momento e estilo de fazer contato restringe a apreensão da complexidade do seu existir. Se pensarmos que o homem está sempre em processo de auto-regulação organísmica com o mundo e procurando realizar ajustamentos criativos, o terapeuta assume que dialoga limitadamente com o cliente isolado de seu contexto, pois atua sobre narrativas e não processos relacionais. É óbvio que numa psicoterapia dialógica, podemos nos apropriar do estilo de relacionamento que se estabelece com o cliente e interagir a partir do seu próprio modelo de relação terapêutica.

Por motivos variados a atuação terapêutica com indivíduos separados de suas famílias continua sendo exercida em todo o mundo e é uma prática que não pode ser encarada como totalmente destituída de validade, desde que de fato o diálogo terapêutico, se estabeleça com o cliente enquanto alguém que é percebido como imerso no jogo das relações familiares e sociais.

O atendimento ao indivíduo com sua família ou da família em si parece mais adequado aos conceitos relacionais da Gestalt-terapia e à complexidade das sociedades atuais. Quando estamos começando um trabalho estamos pré-reflexivos, atentos à estética do relacionamento, a gestalt da família, ao seu jogo. Conteúdo e forma nos impressionam integradamente. Não ter a priori nos permite uma leitura e uma intervenção abrangente. Não há verdades fora daquela Gestalt e nós somos experts em trabalhar o entre. Atuar segundo a experiência presente e a fenomenologia de todos, terapeuta e família ou casal nos permite ultrapassar a era da tecnociência e utilizar a arte, a criatividade e o encontro como processo de transformação. A Gestalt-terapia usa a técnica e o encontro terapêuticoa serviço da relação e da reflexão. Nada menos pós-moderno.

Esta abordagem tem muitas faces. E uma das minhas preferidas é o enfrentamento das contradições, dos buracos da personalidade e o enfrentamento das ambigüidades, dos dilemas, das dicotomias e angústias do homem.

Se o que temos é caos, Perls o verdadeiro e falso pós-moderno diria: deixa o caos se organizar. Se há vazio, vamos fertilizá-lo. Se há uma gestalt rígida, vamos destruí-la. Para dar lugar a uma nova.Não pareça. Seja! Não engula, mastigue. Não seja um acúmulo de informações. Sinta. Suas falas já eram antídotos para o pós modernismo. Há cinqüenta anos atrás.

No pós-moderno parece não haver propostas novas. Na Gestalt o crescimento é inerente ao novo. Boa Forma é um conceito libertador. A verdade que ele carrega é estética e então cada família terá a boa gestalt que lhe convier. Neste tempo de verdades tão incertas, uma abordagem que trabalhe com a incerteza, com o variável, com a compreensão a partir do aqui e agora parece ser um bom suporte para o que virá após a destruição das verdades ocidentais.

Gostaria, então, de descrever esquematicamente com quais conceitos da Gestalt-terapia tenho sustentado conceitualmente e metodologicamente meu trabalho com famílias e nas supervisões a estudantes universitários e profissionais iniciantes.

Conceitos básicos da Gestalt terapia com casais e famílias:

Conceito de Gestalt – O todo e a parte, Holismo, teoria de campo, princípio da contemporaneidade.

Desde o intrapsíquico até o sistêmico

Noção de self como processo e definido na fronteira de contato

Descentramento do atendimento do indivíduo para o sistema de relações e de comunicação

Funções e disfunções de contato, fronteiras de contato

Homeostase familiar

Auto-regulação, às vezes disfuncional, ciclo interativo da família, resistência como força criativa.

Perspectiva trigeracional

Princípio da contemporaneidade

Individuação e pertencimento

Fronteiras de contato, Figura fundo, fronteiras, teoria de campo, Disfunções de contato

Família funcional

Boa forma

Ciclo Vital da Família

Processo existencial

Família com matriz de identidade e o ciclo vital da família
Processo EXISTENCIAL, Auto-regulação
Mitos familiares, lealdades
Cristalizações e interrupção no ciclo de auto-regulação

Sintoma / Resistência

Metáfora da família

Concepção Positiva

Ajustamento Criativo, Cristalização e Evolução

Método

Fenomenológico: NA RELAÇÃO COM as pessoas

Contato e awareness

_______________________________________________________________

Técnicas

Uso criativo das técnicas

Uso de técnicas pré-existentes

Princípios gerais na psicoterapia de família e supervisão de terapeutas de família:

Não há critérios de certo ou errado. As verdades circulam e são referentes à experiência de cada um. Todas os posicionamentos são verdadeiros.

A família é percebida como um todo e o terapeuta pertence ao sistema.

As experiências anteriores de atendimentos por parte da equipe podem ser relevantes ou não. A sabedoria do terapeuta e/ou supervisor é empregada de formas variadas. Sua função é o de ser responsável por criar condições para desenvolver a qualidade de atendimento, mais do que dizer o que deve ser feito, embora esta seja, por vezes, a fala adequada e necessária daquele que está investido de terapeuta/supervisor. A supervisão de família deve contar com uma equipe.

Cada terapeuta é convidado a desenvolver a sua capacidade de atender àquela família assim como o supervisor de supervisionar todas as relações e funções presentes:

  1. terapeuta-família-supervisor,

  2. terapeuta -supervisor- demais membros da equipe,

  3. a família emocional do supervisor, do terapeuta e a família atendida,

  4. equipe – terapeuta – família

  5. instituição – equipe – família

  6. outras relações triangulares que aparecem

Metodologia do atendimento:

contato

Centrar-se no processo da experiência presente.

Perceber como a família se auto-regula

Como a energia está distribuída no sistema

Funções que cada membro exerce no sistema

Vinculação das dificuldades com o que está cristalizado e com o que está inacabado

Observar o potencial de saúde do casal ou da família. Indicar isto para a família.

O terapeuta participa do processo da família de forma oscilante: em alguns momentos guia, em outros é guiado e em outros fica fora do sistema, assistindo ao fluxo da experiência da família;

Facilita o contato entre as pessoas da família com intervenções nas funções de contato e nas fronteiras do self;

Utiliza o experimento em busca da Boa Forma, auxiliando o sistema a se dar conta do seu processo de homeostase. Emprego das metáforas em atendimento de casal.

O uso de técnicas de tipos variado provoca o ajustamento criativo e o aparecimento de uma auto-regulação mais adequada ao momento existencial da família. Uso do dever de casa.

Evitar que o atendimento gire apenas em torno do conteúdo.

Toda sessão precisa ser uma experiência de encontro e mobilização dos recursos da família.

Mesmo com o emprego das técnicas a relação que está implicitamente presente é estar com e não fazer para.

Para finalizar lembro como os tempos pós –modernos trouxeram mudanças nas estruturas e valores sagrados ao processo terapêutico. A noção de tempo, por exemplo. O sistema de informações em ritmo tão acelerado faz parecer que o processo de psicoterapia tem uma engrenagem muito lenta. A complexidade do mundo atual é que lidamos com muitas e diferentes narrativas. Políticas de saúde, sistemas de vida social, econômica, política e emocional muito distintos exigem um diálogo terapêutico que consiga decodificar, registrar e interagir com a complexidade da rede dos relacionamentos.

Desta forma, é preciso lembrar que a Gestalt terapia e o atendimento à família e casais de fato pode ser feito em espaço bastante limitado de tempo, porém com bastante aprofundamento.

O formato dinâmico e humanista da Gestalt-terapia a mantém compatível com todos os modelos que a humanidade criou e que continuará criando, enquanto houver água potável e vida sensível na terra.

Gestalt-terapia: uma terapia criativa e experiencial

SandraBabele

Di Sandra Salomao

Resumo: A Gestalt-terapia é uma abordagem existencial-fenomenológica cuja sessão de psicoterapia é uma oportunidade de experimentação aqui e agora dos conflitos, questões e disfunções apresentadas pelas pessoas. Emprega uma relação terapêutica em que o relacionamento é legítimo per si, o sentir um guia e a criatividade uma atividade desejada. Apresentamos a metodologia, o campo de atuação e a formação.

Palavras chave: awareness, aqui e agora, fenomenologia, experiência, contato, holismo. Leggi tutto